Reino Unido vai ter que renegociar 759 tratados internacionais pelo Brexit

O Governo britânico deve desenhar suas novas relações com um total de 168 nações.
Reino Unido deve renegociar pelo menos 759 tratados internacionais, depois de sua decisão de abandonar a União Europeia (UE), segundo uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira pelo jornal britânico Financial Times.
Além das negociações para determinar as condições de saída da UE, o Governo britânico deve desenhar suas novas relações com 168 países.
Entre os tratados internacionais sobre a mesa, Reino Unido deverá lidar com 295 acordos bilaterais e multilaterais de comércio, bem como com 202 textos de regulação compartilhada, que vão desde regras antitrust até políticas de troca de dados.
Também requerem atenção 69 acordos de pesca, que estabelecem o acesso a determinadas águas e quotas de captura, 65 pactos de transporte, em sua maioria, em relação à aviação, 49 acordos aduaneiros, 45 no setor de energia nuclear e 34 relacionados com a agricultura.
O Financial Times destaca que alguns dos acordos “são tão essenciais que seria impensável operar sem eles”.
Entre outras questões, o Governo deverá abordar os acordos que permitem que os aviões britânicos pousar nos EUA, Canadá e Israel, bem como rever os pactos internacionais que permitem importar componentes e combustível para as centrais energéticas no Reino Unido.
“A logística é assustadora”, disse Hosuk Lê-Makiyama, antigo funcionário de comércio da Suécia e da UE, que avisa que alguns países podem aproveitar a oportunidade de renegociar os tratados para elevar pedidos para o Reino Unido.
O ministro britânico de Comércio Internacional, Liam Fox, disse que o Governo prevê negociar acordos de transição para que as negociações de novos tratados internacionais não provoquem “nenhuma ruptura” no Reino Unido.
“É uma tarefa infernal. O comércio vai manter muito ocupados”, disse ao jornal Financial Times Vladimir Chizhov, embaixador russo na UE.

About author