Madrid vai lançar um programa para atrair empresas que queiram sair do Reino Unido, pela Brexit

A proposta de Cs saiu a frente graças aos votos do PSOE e Agora Madrid. O PP não votou por ter abandonado o Plenário da câmara Municipal.
Um programa de atividades promoverá Madrid como um local para empresas e instituições que desejam se mudar do Reino Unido para a capital por ser “referência social, cultural e económica” os princípios da União Europeia.
A proposta de Cs saiu a frente graças aos votos favoráveis da formação laranja, PSOE e Agora Madrid. O PP não votou por ter abandonado o Plenário da câmara Municipal.
Junto a este programa de atividades, também foi aprovado o “chegou o momento, oferecer a criação de um Gabinete de Transição, em Londres, para atender diretamente os funcionários e facilitar a busca de moradia, escola, e para facilitar a mudança”.
No entanto, outros três pontos que continha a proposta não saiu adiante. Não obteve o ‘sim’ de PSOE e Agora Madrid a possibilidade de criar uma comissão com a Comunidade e Governo central para atrair empresas, reservar um edifício municipal para implementar a Autoridade Bancária em Madrid, e que esse comissário defina as “imunidades necessárias para mudanças de sede”.
O delegado da Economia e das Finanças, Carlos Sánchez Mato, fez o pedido de votação por pontos de iniciativa, já que não houve o “parâmetro inicial” necessário para isso. “O governo espanhol não licitação porque esse organismo venha ao Estado Português”, disse.
“A Prefeitura, por dizer-me o que pedir, não vai cai o organismo institucional”, disse Sánchez Mato, que tem indicado que o Conselho “é claro que sim”, daria “todo o apoio”.
A proponente da iniciativa e porta-voz de Cs, Begoña Villacís, indicou que “Madrid está em uma situação perfeita para concorrer à candidatura da Autoridade Bancária Europeia”. “É uma candidatura séria e há que apoiá-la”, acrescentou.
Villacís assinalou que “se Lisboa não levanta a não e pede impulso, não vai vir sozinho”. “Eu tenho visto como vão oportunidades: dizem que não Madreat, o Mercado de Legazpi… não vi nada no que disseram, nós criamos isso para fazer o trabalho”, criticou.
A socialista Erika Rodrigues indicou que o partido socialista está “de acordo” com “essa ideia de promover o investimento em Madrid, que venham instituições europeias”. Rodríguez disse que o Governo central tem que pedir “que a sede venha a Madrid”. “Queremos potenciar a Madrid para esse posto, mas enquanto o Governo não age, é muito complicado”, foi destacada.
Na sua segunda intervenção, Sánchez Mato indicou que a câmara Municipal “levanta a mão como você faz sempre” e que “a presidente da câmara ficaria muito feliz de fazer declaração pública para atrair empresas”.
“Vocês têm mais mão do que nós”, diz a Villacís, a quem lhe foi pedido “desgastar-se em convencer aqueles que não estão convencidos, isto é, o seu parceiro de Governo”.

About author