A Segurança Social soma 223.192 ocupados em maio, seu recorde desde julho de 2005

A afiliação média para a Segurança Social registrou, em maio, um aumento de 223.192 pessoas em relação ao mês anterior, até superar os 18,3 milhões de ocupados, o que representa o maior aumento mensal desde julho de 2005, e o melhor maio da série histórica, que começa em 2001.
Por setores econômicos, a adesão cresceu em todos, especialmente na hotelaria com 65.409, um 5,26% a mais, e atividades administrativas e serviços auxiliares, com 24.349, um 2,01% a mais, segundo os dados fornecidos pelo Ministério de Emprego.
No total, esses 223.192 ocupados mais de maio representam uma alta de 1,23% frente a abril, um mês em que a Semana Santa já impulso no mercado de trabalho.
Em termos homólogas, o quinto mês do ano fechou com 683.575 mídia afiliados mais, um aumento de 3,87%, a melhor evolução a partir de 2006.
Emprego destaca-se que, com esta evolução, foram recuperados quase 2,2 milhões de empregos que se perderam durante a crise, o 65,6% dos perdidos. O sistema não passava de 18,3 milhões de ocupados desde o final de 2008.
Desde o Governo apontam também que nunca tinha havido tantas mulheres afiliadas à Segurança Social, com 8.502.457 trabalhadoras, o que representa o 46,35% do total de ocupados.
O detalhe de maio, o regime geral registou um aumento de 207.571 pessoas, um 1,40%, até atingir os 15 milhões de ocupados.
Quanto ao sistema especial agrário, registrou 29.087 ocupados mais, uma alta de 3,67%, até os 791.724 afiliados meios, enquanto que o sistema especial de funcionários da casa desceu ligeiramente para os 429.092 ocupados.
O regime de autônomos fechou em 3.229.086 pessoas, depois de aumentar em 15.079 no mês.
O número de sócios subiu em maio, em todas as comunidades autónomas com Baleares, com um aumento de 10,4%, Madri, com 2,2%, e Espanha, com 1,95%, entre os maiores aumentos.
Em relação ao ano passado, destaca-se o bom comportamento do regime geral, que incorpora 652.116 trabalhadores, um 4,53% a mais. Esse crescimento supera o 4,70 %, sem levar em conta nem a agricultura, nem o de casa e representa um recorde histórico.
Em termos anuais, a ocupação avança em todas as províncias e comunidades autónomas, excepto em Lagos. Destacam-se também os aumentos de Baleares, com 6,6%, Canárias, com um 5,61%, Madri, com 5,26%, Andaluzia, com um 4,61%, e a Comunidade Valenciana, com 4,52%.

About author